SindGESTOR - Sindicato dos Gestores Governamentais de Goiás

Ir para página inicial

Comunicação

Notícias

A armadilha das médias e o salário dos servidores públicos - Artigo Eduardo Aires

Em artigo publicado no jornal A Redação, o presidente do SindGESTOR, Eduardo Aires, defende que a falta de cuidado ao avaliar os salários dos servidores públicos por meio de médias salariais, gera informações erradas e termina criando uma falsa realidade a respeito dos salários praticados no serviço público.

Leia o texto completo abaixo, ou o post original no Jornal A Redação:


A armadilha das médias e o salário dos servidores públicos

Goiânia - O Brasil tem uma peculiaridade: é um país em que os trabalhadores têm a certeza de que ganham pouco - e a comparação com outros países comprova o fato. Por outro lado, o empresário afirma que a despesa com folha de pagamentos sufoca qualquer empreendimento - o que também pode ser confirmado por dados empíricos.
 
Isso é possível em razão da grande carga incidente sobre a folha de pagamentos. Para o trabalhador que negocia receber R$ 1 mil, ao final do mês, com grande decepção, constata que o liquido será de “apenas” R$ 920. Por outro lado, o empregador também não desembolsou “apenas” R$ 1 mil; a conta para ele foi de aproximadamente R$ 1.280 - quase 40% de diferença.
 
Ocorre que membros da iniciativa privada se esquecem, ao analisar a folha de pagamentos da administração pública, que lá a dinâmica é um pouco diferente. O trabalhador receberá pouco e o empregador irá pagar muito, mas na prática o próprio governo recebe os valores que são descontados e, por razões contábeis, apresentam os valores cheios.
 
Um exemplo é que o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), que fica para o ente federativo empregador – o que em alguns casos chega a 27,5% do salário; na administração estadual, o servidor já paga 14,25% de previdência. Ou seja, o servidor, dependendo da remuneração, põe no bolso menos que 60% da remuneração que está no papel. Na outra ponta, o Estado desembolsa 28% a mais que o que está no papel.
 
Existem distorções severas na folha do Estado de Goiás. Mas elas não são visíveis a olho nu, muito menos quando utiliza-se médias para avaliar o problema. Utilizar-se de médias é uma armadilha para quem recebe pouco, ao mesmo tempo em que torna invisível privilégios que se multiplicam no serviço público.
 
Avaliemos  um caso hipotético, em que existam onze servidores públicos, dos quais 10 recebam subsídio de R$ 1 mil. Mas um deles tem um cargo diferente ou, naquele período, ganhou uma ação na Justiça e, em razão disso, recebe R$ 100 mil (sim, existem casos em que, por decisão judicial, um servidor recebe muito mais que o padrão remuneratório de sua categoria). O político mal informado (ou mal intencionado) dirá que a média salarial daquele grupo é R$ 11 mil. Em razão disso, propõe uma lei para diminuir em 10% a remuneração dos servidores. Sem conhecer o caso concreto, a população apoia a ideia, afinal de contas R$ 10 mil é uma média salarial acima da praticada no mercado.
 
Aqueles que ganham R$ 1 mil terão seu salário cortado linearmente, passando a receber menos que um salário mínimo. E assim proliferam-se no Brasil as notícias sobre remuneração dos servidores públicos escritas por pessoas que não têm a menor noção da dinâmica da Administração Pública; fomentadas por autoridades que confirmam “obviedades” doces aos ouvidos e que fazem parecer que a administração pública é formada por um punhado de incapazes que não têm condições ou vontade de resolver problemas que são simples.

*Eduardo Aires Berbert Galvão é Gestor Governamental especialista em Planejamento e Orçamento, presidente da Fenagesp e do SindGESTOR, membro do Conselho de Transparência Pública e Combate à Corrupção do Governo do Estado de Goiás, Mestre em Sociologia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). 

Data : 23/11/2017

Fonte : Comunicação SindGESTOR -



Modernização do Detran chama a atenção de outros estados

Modernização do Detran chama a atenção de outros estados

 09/12/2017

 Comunicação SindGESTOR

O trabalho realizado no DETRAN-GO tem se tornado referência para os Detrans de outros estados. Nas últimas semanas, a equipe de Tecnologia da Informação, coordenada pelo gestor governamental Gustavo Vieira Tomás, vem recebendo visitas de diversos [...]





Criado por gestor, Tesouro Verde é liberado para o Produzir

Criado por gestor, Tesouro Verde é liberado para o Produzir

 30/11/2017

 Comunicação SindGESTOR

Você já conhece o Tesouro Verde? Assista, no vídeo abaixo, ao gestor governamental Moacyr Salomão explicando um pouquinho desse projeto. Gerente de Receita Extratributária da Sefaz, Moacyr é o idealizador do Tesouro Verde - projeto pioneiro do estado [...]



Chapa de gestor governamental vence eleições do CRC-GO

Chapa de gestor governamental vence eleições do CRC-GO

 23/11/2017

 Comunicação SindGESTOR

Foi divulgado ontem (22), no final do  dia, o resultado das eleições para a escolha dos novos conselheiros do Conselhos Regional de Contabilidade de Goiás (CRC-GO), e a Chapa 01, que traz o gestor governamental Einstein Paniago em sua composição, foi [...]




Vaga para gestor com FC

Vaga para gestor com FC

 21/11/2017

 Comunicação SindGESTOR

A Gerência de Modernização de Gestão da SEGPLAN busca gestor governamental para a unidade, com oferta de FCA-5,no valor de R$ 668. Para assumir a vaga é desejável facilidade de redação e interpretação de textos, para [...]



20/11 - Dia da Consciência Negra

20/11 - Dia da Consciência Negra

 20/11/2017

 Comunicação SindGESTOR

  Desde 2003, o dia 20 de novembro ficou conhecido com o Dia da Consciência Negra. A data comemorativa foi estabelecida pela Lei federal nº 10.639, quando foi instituído nas escolas do país o ensino da história e da cultura afro-brasileiras. A data [...]



Goiasprev busca assessores jurídicos

Goiasprev busca assessores jurídicos

 10/11/2017

 Comunicação SindGESTOR

A Goiasprev está ofertando 12 vagas para assessores jurídicos, com gratificação de função comissionada (FCA-2) no valor de R$ 1.336. As vagas se destinam a servidores efetivos ou celestistas, que tenham formação em Direito e [...]